Será um dejà-vu do ano passado?

(**spoilers**)

Os Indicados:

Boston Legal (James Spader – “The Court Supreme”)
Breaking Bad (Bryan Cranston – “Pilot”)
Dexter (Michael C. Hall – “There’s Something About Harry”)
House (Hugh Laurie – “House’s Head”)
In Treatment (Gabriel Byrne – “Paul and Gina: Week 4”)
Mad Men (Jon Hamm – “The Wheel”)

Previsões: 5/6. Bryan Cranston ficou como 7ª posição, coloquei Denis Leary em 6º.

  • James Spader – Boston Legal (“The Court Supreme”)

Ver Aqui.

  • Bryan Cranston – Breaking Bad (“Pilot”)

Um show novo em um canal pequeno, mas um ator respeitado na TV, sem contar suas indicações anteriores.

Bem, o piloto talvez tenha sido realmente a melhor escolha para Cranston, pois nos apresenta sua história, e assim conseguimos nos importar com o personagem, o grande problema é que tudo se baseia em sutilezas, principalmente no ápice do episódio quando ele descobre sobre seu câncer, pois não há nada exagerado, lágrimas, etc, apenas uma reação com os olhos e uma preocupação bem estranha com a camiseta do médico.
Como sabemos, o EMMY adora exageros.

  • Michael C. Hall – Dexter (“There’s Something About Harry)

Possui o mesmo problema de Bryan Cranston: atuação muito sutil, nem tão minimalista quanto a de Cranston, apenas sutil. Os momentos de fúria vem em narrações em off, e apesar do episódio ser ótimo, não há nada de espetacular na atuação de Hall, apenas bem no final, quando descobre a verdade sobre seu “pai”, mas já é um pouco tarde. Creio que uma escolha melhor seria The Dark Defender, pelo menos tem uma cena em que se mostra os dois lados de Dexter.

  • Hugh Laurie – House (“House’s Head)

O episódio pode ser confuso para os votantes, o que pode prejudicar, mas a atuação de Laurie é ótima. Toda a sua obsessão em descobrir a pessoa doente é ótima, sem contar a fantástica mistura de sarcasmo e desespero que o Doutor sempre exibe.

  • Gabriel Byrne – In Treatment (“Paul and Gina: Week 4”)

Uma fita bem forte, pois é pouco mais de vinte minutos de um quase monólogo, e é possível ver como suas expressões mudam, principalmente quando precisa confrontar aquilo que sua colega de cena fala, e no fundo saber que é tudo verdade.

  • Jon Hamm – Mad Men (“The Wheel”)

Não tão sutil quando Hall e Cranston, mas ainda fica nesse lado. Seu grande momento é a apresentação das fotos e o final, quando descobre a solidão. E tem à seu favor duas coisas: Globo de Ouro e a indicação à roteiro para o episódio, o que indicada que gostaram do episódio como um todo. Mas ainda acho que sua melhor fita seria 5-G, lutar com o passado é sempre uma garantia de vitória.

QUEM VAI GANHAR: A disputa é grande, mas acredito que está entre James Spader e Hugh Laurie, mas Bryan Cranston pode surpreender, e muito.

QUEM DEVERIA GANHAR (baseado apenas nas submissões): 1 Bryan Cranston 2 Gabriel Byrne 3 Hugh Laurie 4 Jon Hamm 5 James Spader 6 Michael C. Hall

QUEM DEVERIA GANHAR (baseado em seu trabalho geral): 1 Michael C. Hall 2 Hugh Laurie 3 Bryan Cranston 4 Gabriel Byrne 5 James Spader 6 Jon Hamm

Total: 1 Bryan Cranston (4 pontos) 2 Hugh Laurie (5 pontos) 3 Gabriel Byrne (6 pontos) 4 Michael C. Hall (7 pontos) 5 James Spader e Jon Hamm (5 pontos)